A tragédia em Brumadinho

As 13h do dia 25 de janeiro de 2019, a comunidade e ecossistemas de Brumadinho e dos municípios situados a jusante, foram atingidas pela onda de rejeito de mineração gerada pela ruptura da Barragem VI, e na sequência, das Barragens IV e IV-A implantadas no Córrego Feijão, bacia do rio Paraopeba, estado de Minas Gerais. As barragens são de propriedade da Vale SA. Elas apresentam a capacidade de cerca de 1,2 milhões de m³.

Os danos sociais, ecossistêmicos, econômicos, culturais, legais e institucionais provocados são desastrosos e fortemente lamentáveis.

É ainda mais lamentável saber que o empreendedor deste desastre é o mesmo do desastre catastrófico ocorrido pela ruptura da barragem de Fundão, na mesma região hidrológica, há pouco mais de 3 anos.

A Associação Brasileira de Recursos Hídricos expressa sua solidariedade com as vitimas humanas e ambientais, colocando-se a disposição da sociedade para contribuir na implementação e aprimoramento da Política Nacional de Segurança de Barragens (Lei nº 12.334, de 20 de setembro de 2010).

 

Associação Brasileira de Recursos Hídricos

Porto Alegre, RS, 25 de janeiro de 2019.