Premiações marcam o XXIII SBRH em Foz do Iguaçu

Premiações marcam o XXIII SBRH em Foz do Iguaçu

A novidade deste ano foi a inclusão da categoria Nível Médio, que deixou o concurso
Jovem Pesquisador ainda mais dinâmico.

 

As premiações marcaram as atividades do XXIII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos na noite de quarta-feira, dia 27, em Foz do Iguaçu (PR). Uma plateia empolgada, formada por jovens estudantes de várias regiões brasileiras, disputou o Prêmio Jovem Pesquisador – edição Rubem La Laina Porto. Já os veteranos da Associação Brasileira de Recursos Hídricos (ABRHidro), promotora do Simpósio, homenagearam um de seus destacados integrantes – o pernambucano José Almir Cirilo – com o Prêmio Flávio Terra Barth. Um encontro de gerações que trazem algo em comum: o interesse e o comprometimento com os recursos hídricos.

Ex-presidente da ABRHidro (2000–2001), o engenheiro José Almir Cirilo atuou em importantes cargos administrativos e segue ativo junto à comunidade acadêmica. Foi secretário de Recursos Hídricos e Energéticos (1995-1998) de Pernambuco, secretário adjunto de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco (1995-1998) e  presidente do Comitê Gestor do CTHidro (Fundo Setorial de Recursos Hídricos) do Ministério de Ciência e Tecnologia (2005-2010).

Por sua intensa atividade em benefício do setor, Cirilo foi agraciado pelo Prêmio Flávio Terra Barth após a escolha da comissão formada pelos professores Adilson Pinheiro (presidente ABRHidro), Synara Broch (vice-presidente), Vladimir Caramori Borges de Souza (conselho fiscal), Ingrid Muller (Lactec) e Otto Correa Rottulo Filho (UFRJ). Surpreso e emocionado com a homenagem, ele lembrou da juventude e dos primeiros eventos dos quais participou com a ABRHidro. “Meu ânimo segue renovado, fruto da convivência com os colegas e com os jovens estudantes. Tenho intenção de fazer mais um livro sobre engenharia de recursos hídricos”, anunciou.

 

JOVEM PESQUISADOR

O Prêmio Jovem Pesquisador homenageou o professor Rubem La Laina Porto, falecido em julho deste ano, e que também presidiu a ABRHidro (1980-1981). Outro professor e colega, Francisco de Assis de Souza, lembrou que professor Rubem participou de todos os eventos da Associação desde a sua fundação. “A principal característica dele era de educador. Muitos de nós fomos orientados por ele, seja na área acadêmica ou nos desafios da vida. Ele disputava almas, formava cidadãos e instrumentalizava para a vida”, afirmou Assis.

A edição de 2019 trouxe uma novidade: a inclusão da categoria Ensino Médio, que agora estimula os jovens a estudarem e realizarem trabalhos sobre a água. Assim como nas demais categorias, os trabalhos inscritos passaram por bancas examinadoras on-line para uma  habilitação inicial. Foram selecionados três finalistas, que estavam presentes na premiação em Foz do Iguaçu. As quatro categorias passaram pela mesma banca examinadora de professores doutores, formada por José Almir Cirilo (UFPE), Andrea Sousa Fontes (UFRB), Luciene Pimentel da Silva (UERJ), Teodorico Alves Sobrinho (UFMS) e Luciana Espíndula de Quadros (IFPR).”Os trabalhos apresentados em todas as categorias revelaram um alto nível de conteúdo científico”, elogiou a diretora de eventos da ABRHidro e coordenadora dos Prêmios.

 

GANHADORES ENSINO MÉDIO

Aproveitamento da água dos ares condicionados de uma instituição pública de ensino técnico e superior, estudo elaborado por alunos do Instituto Federal do Piauí, conquistou o primeiro lugar. Mateus Santos Correia esteve presente representando sua equipe, também formada por Danyel Lima Matos Granzotti, Isadora Rodrigues Rocha, Uesllei Sousa Reis, Maria Lais Felix da Silva, Lara Denise Alves de Vasconcelos. “Estou muito contente com esse reconhecimento”, destacou o jovem de 16 anos. Ele recebeu os mesmos prêmios concedidos aos ganhadores das demais categorias: um notebook, anuidade 2020 da ABRHidro e livros técnicos.

Em segundo lugar ficou o trabalho Aquameaça: Aplicativo Android para identificação e monitoramento de ameaças aos ecossistemas aquáticos, dos seguintes alunos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará: Pedro William de Oliveira Vieira, Suênia dos Santos da Silva, Leonardo Silva de Oliveira, Evaldo de Lira Azevedo, Rodrigo Cadeira Soares, Humberto Beltrão da Cunha Junior. O terceiro lugar foi para Aqua Safe: Rede social para o monitoramento dos recursos hídricos, da equipe do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul formada por Luan Said Meira Moreira, Lucas Cabral Carvalho de Oliveira; Luiz Fernando Delboni Lomba.

 

GANHADORES GRADUAÇÃO

O primeiro lugar na categoria Graduação foi conquistado pelo trabalho Análise de solução de drenagem urbana de baixo impacto por modelagem hidrológica de base contínua, dos autores Daniela Junqueira Carvalho; Maria Elisa Leite Costa; Cátia dos Santos Conserva; Natalia da Silva Lemos; Liza Maria Souza de Andrade; Sergio Koide, da Universidade de Brasília.

Em segundo lugar ficou o trabalho Incerteza na determinação das curvas IDF na Bacia do Itajaí, dos autores: Gabriel Anzolin (Universidade Federal de Santa Catarina); Debora Yumi de Oliveira (University of California Irvine); Pedro Luiz Borges Chaffe (Universidade Federal de Santa Catarina). E o terceiro lugar foi para Monitoramento da qualidade da água em uma bacia de detenção no Distrito Federal, dos autores: Stefanie Katrin Fischer Henz; Maria Elisa Leite Costa; Sergio Koide; Ana Carolina Vieira de Paula, da Universidade de Brasília.

 

GANHADORES MESTRADO

O primeiro lugar ficou com o trabalho Uso de assinaturas hidrológicas para classificação de bacias hidrográficas do Brasil, dos autores Paula Cunha David; Vinicius Bogo Portal Chagas e Pedro Luiz Borges Chaffe, da Universidade Federal de Santa Catarina.

Em segundo lugar foi premiado o trabalho Sensoriamento remoto aplicado ao estudo de águas interiores: Monitoramento de Clorofila-A em uma lagoa subtropical, dos autores Cassia Brocca Caballero (Universidade Federal de Pelotas); Hugo Alexandre Soares Guedes (Universidade Federal de Pelotas); Rosimeri da Silva Fraga (Universidade Federal de Pelotas); Karen Gularte Peres Mendes (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia); Alice Cesar Fassoni de Andrade (UFRGS); Vitor Souza Martins (Iowa State University). Em terceiro lugar ficou Uso de modelagem hidrogeoquímica para interpretar a qualidade da água de reservatórios salinizados em Sergipe, dos autores Nivia Raquel Oliveira Alencar; Eveline Leal da Silva; Adnivia Santos Costa Monteiro; Igor Santos Silva; José do Patrocínio Hora Alves da Universidade Federal de Sergipe – São Cristovão.

 

GANHADORES DOUTORADO

O primeiro lugar ficou com o trabalho Não-estacionariedade é inevitável! Causas das recentes mudanças de vazão no Brasil dos autores Vinicius Bogo Portal Chagas e Pedro Luiz Borges Chaffe, da Universidade Federal de Santa Catarina.

Em segundo lugar ficou Um modelo hidrológico-hidrodinâmico da Bacia do Paraná e seus reservatórios dos autores Ayan Santos Fleischmann (IPH/UFRGS), João Paulo Lyra Fialho Breda (PPG Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental), Fernando Mainardi Fan (UFRGS), Sly Wongchuig Correa (UFRGS), Walter Collischonn (IPH-UFRGS), Daniel Firmo Kazay (Itaipu), Sílvia Frazão Matos (Itaipu Binacional) e Karimi Francesca Mussi (Itaipu Binacional). O terceiro lugar ficou com Calibração automática de um modelo de sedimentos em regiões com escassez de dados dos autores Hugo de Oliveira Fagundes e Juan Martin Bravo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul).